Vídeo mostra Boeing 747-400 da Virgin lançando foguete de 30 metros




Um avião bastante incomum pode ser visto voando sobre a Base Aérea de Edwards, no sul da Califórnia, nesta quarta-feira. Ao contrário do tráfego endêmico de aeronaves militares, dessa vez tratava-se de um jato jumbo, um Boeing 747 modificado, com a cauda vermelha brilhante adornada com uma única palavra: VIRGIN. Amarrado sob sua asa esquerda nada menos que um foguete de 30 metros.

Após cerca de 30 minutos de voo, o piloto do jato da Virgin Orbit deu o comando para lançar o foguete e mandá-lo para o chão do deserto, 35.000 pés (12.000 metros) abaixo.

Embora o foguete estivesse “totalmente carregado”, como disse a empresa, seus motores nunca foram acionados. Em vez disso, o foguete caiu livremente na terra para que a empresa pudesse ver como ele se comportava durante os primeiros segundos de queda livre. 




Este foi o último grande teste para o sistema de lançamento aéreo da Virgin Orbit, que lançará foguetes de um jumbo, conhecido como Cosmic Girl, para impulsionar pequenos satélites para a órbita terrestre. É uma manobra complicada, mas pode reduzir significativamente os custos de se chegar ao espaço.

Uma grande fração da massa de um foguete lançado verticalmente é combustível, necessário para combater o arrasto atmosférico e a gravidade da Terra perto da superfície. Ter um avião carregando um foguete para grandes altitudes pode economizar muito desse combustível. Ao contrário dos foguetes, os aviões não precisam de um oxidante para voar a grandes altitudes, o que também ajuda a reduzir a massa do foguete e reduz o custo de um lançamento orbital. De fato, a Virgin estima que um passeio em órbita em seu foguete LauncherOne custará “apenas” cerca de US$ 12 milhões.

As vantagens de um sistema de lançamento aéreo são conhecidas há décadas, mas só recentemente a indústria espacial começou a demonstrar interesse pelo conceito. A exceção é o Orbital ATK, que se tornou a primeira empresa a usar um foguete lançado pelo ar para lançar um satélite em órbita, em 1990, e continua a usar esse sistema até hoje. 

É mais um passo do empresário Richard Branson em sua empreitada espacial. Confira fotos do evento de hoje.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.