Você sabia que o príncipe Philip era aviador e pilotou até no Brasil?

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Faleceu ontem, dia 9 de abril, um dos membros mais antigos da família real britânica, o qual era também veterano de guerra e amante da aviação, tendo inclusive pilotado no Brasil.

Arquivo Pessoal – Rebecca Wallick

O Duque de Edimburgo, seu título real, foi um dos primeiros membros da família real a se tornar piloto, um legado que foi seguido por seu filho Charles e seus netos William e Harry. Enquanto seus descendentes voaram apenas no serviço público, sendo Charles piloto da RAF e os netos voando helicóptero (William, no Sea King, e Harry, no Apache), Philip era mais apaixonado pela aviação e usou de seu cargo para voar o maior tempo possível.

Ele obteve sua licença em 1953, anos depois da guerra (na qual serviu como Tenente da Marinha Real na Itália e também no Japão). De 1953 até ontem, ele tinha acumulado mais de 5 mil horas de voo em mais de 50 aviões diferentes.

O primeiro avião que voou foi um T-6 Texan, um dos clássicos da aviação e usado no passado por dezenas de forças aéreas para treinamento inicial de seus pilotos, incluindo no Brasil, onde foi feito sob licença em Lagoa Santa, Minas Gerais.

E foi também no Brasil onde Philip fez um de seus voos. Durante um tour da família real em 1962, pela América do Sul, ele pousou no Aeroporto Internacional de Brasília comandando o avião turboélice Handley Page Dart Herald, segundo lembra o jornal O Globo.

Anos mais tarde ele pilotou o trijato britânico Hawker Siddeley Trident, que estava estreando na British United Airways, que mais tarde se tornou a British Caledonian e que depois foi comprada pela British Airways.

Philip nos comandos do Hawker Siddeley Trident – Arquivo da Família Real

Porém, este voo no Trident acabou se tornando especial, já que, ao lado dele, estava o Primeiro-Oficial Peter Middleton, avô de Kate Middleton, que décadas mais tarde se casaria com seu neto, William. Na foto abaixo é possível ver os dois se cumprimentando após o voo.

Não bastassem os voos de oportunidade, Philip também tinha licença de helicóptero e ia para o Palácio de Buckingham por conta própria pilotando os helicópteros da frota real. Mas um dos pontos altos da sua carreira como piloto foi voar no Boeing 757, à convite da própria Boeing, durante uma visita a Seattle em 1982 para o recebimento da primeira aeronave para a British Airways.

21055766-7689949-image-a-48-1573828447204

A foto que ilustra esta matéria é de Rebecca Wallick, e mostra seu pai que é piloto de testes da Boeing no assento do copiloto conversando com o príncipe, que estava no assento do comandante.

O voo foi tão proveitoso que Philip depois enviou uma carta agradecendo à Rebecca por ter enviado a foto décadas depois. Inclusive, Rebecca escreveu um livro (Growing Up Boeing) sobre sua infância em torno da Boeing, e enviou uma cópia para Philip, que agradeceu e deixou o livro como parte da Biblioteca Real.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Esquadrão Gavião celebra primeiro voo solo de Aspirantes a Oficiais Aviadores

0
O Primeiro Esquadrão do Décimo Primeiro Grupo de Aviação (1º/11º GAV) - Esquadrão Gavião, sediado na Ala 10, em Parnamirim