Voo de Branson ao espaço descumpriu normas da aviação e virou alvo de investigação

Espaçonave VSS Unity – Imagem: Virgin Galactic

A empresa norte-americana de viagens turísticas espaciais Virgin Galactic, fundada pelo empresário do ramo de aviação comercial Richard Branson, está sob investigação da agência regulatória de aviação dos Estados Unidos, a Administração Federal de Aviação (FAA), após ter feito o primeiro voo levando passageiros ao espaço, incluindo o próprio Branson entre eles.

Embora a FAA seja uma agência de aviação, ela também faz parte dos órgãos que regulam os lançamentos espaciais, uma vez que estes dividem, ao menos em parte de sua trajetória, o mesmo espaço aéreo utilizado pelos aviões.

Como acompanhamos há menos de 2 meses, em 11 de julho a espaçonave SpaceShipTwo de nome VSS Unity foi lançada pela aeronave VMS Eve sobre o mar no litoral da Califórnia, para fazer a estreia das viagens comerciais da Virgin Galactic, após já ter realizado uma série de voos de testes nos últimos anos.

A VSS fixada no centro da aeronave VMS

Após liberada, a Unity acionou seu motor de foguete e acelerou para mais de 3 vezes a velocidade de som, apontando seu nariz para o espaço até chegar a quase 100 quilômetros de altitude. Assim, permitiu aos passageiros vislumbrarem por alguns minutos a Terra vista do espaço, bem como a escuridão do próprio espaço sideral.

Na sequência, a espaçonave retornou para um pouso na pista do espaçoporto do deserto de Mojave, porém, segundo relata o New Yorker, o que pareceu ser uma missão bem-sucedida e dentro da normalidade, na verdade, envolveu uma falha operacional que virou alvo de investigação da FAA.

No vídeo a seguir você pode relembrar o lançamento e os detalhes do feito:

O New Yorker descreve que, conforme relatado por pessoas envolvidas na missão, durante o voo os pilotos Dave Mackay e Mike Masucci receberam um aviso dos instrumentos da espaçonave, em que uma luz amarela indicava que a mesma não estava apontando para cima o suficiente para permitir o correto retorno posterior até o local de pouso.

Mas não parou por aí. Na sequência, o alerta passou da luz amarela para a vermelha, mostrando haver uma fuga ainda mais relevante em relação à trajetória ideal da missão. Os pilotos poderiam tomar duas medidas: abortar a missão e retornar ao pouso; ou aplicar medidas corretivas de rota sob o risco de sair do espaço aéreo aprovado pela FAA para a VSS Unity.

Os pilotos optaram pela segundo opção e, como consequência, durante 1 minuto e 41 segundos dos cerca de 15 minutos do voo a espaçonave esteve fora do espaço delimitado, infringindo a regulamentação.

Segundo mensagem enviada ao Insider, a agência reguladora declarou: “A Virgin Galactic não pode recolocar o veículo SpaceShipTwo em voo até que a FAA aprove o relatório final de investigação da ocorrência ou determine se os problemas relacionados à ocorrência não afetam a segurança pública. A FAA é responsável por proteger o público durante as operações de lançamento e reentrada do transporte espacial comercial.”

Dessa forma, embora Branson tenha conseguido sair na frente e ir ao espaço antes de seu concorrente, o fundador da Amazon Jeff Bezos, que 9 dias depois também foi ao espaço através de sua empresa Blue Origin, parece que Bezos terá a oportunidade de repetir o feito antes do rival.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Mostarda vira fonte para fazer combustível de aviação que reduz emissões...

0
A espécie de mostarda se chama Brassica carinata, uma cultura de sementes oleaginosas não comestíveis. Saiba os detalhes.