Voo de duas horas da Air Canada torna-se uma viagem gigantesca de 36 horas

Um voo doméstico da Air Canada que deveria levar duas horas de Vancouver a Whitehorse teve que desviar pelos EUA e depois voltar à sua origem duas vezes, antes de tentar novamente sua rota original, retendo os 88 passageiros por 36 horas.

Foto BriYYZ de Toronto, Canada [CC] via Wikimedia Commons

Tentando tirar algo bom dessa história, ao menos os “sortudos” passageiros da Air Canada conseguiram fazer uma excursão gratuita pelo Alasca e noroeste do Canadá, depois que sua aeronave levou 36 horas para fazer uma rota relativamente simples de duas horas.

Esperava-se que o voo AC279 fizesse a viagem doméstica de 798,27 milhas náuticas (cerca de 1.500 quilômetros), operado com Airbus A319, de Vancouver para Whitehorse, mas devido a uma variedade de eventos climáticos, o voo não pôde seguir para o seu destino programado.

Como aconteceu tudo?

Segundo a CBC.ca, a aeronave realizou um voo sem intercorrências de Vancouver para Whitehorse, mas após cerca de 15 minutos circulando o aeroporto de destino, a tripulação decidiu que as condições eram inseguras demais para tentar uma aterrissagem. A área estava cercada por tempestades de neve e a visibilidade era muito baixa.

A tripulação de cabine comunicou que abandonaria sua tentativa de aterrissagem para a surpresa dos passageiros a bordo, pois já havia anunciado para que todos se preparassem para o pouso. No entanto, a aeronave seguiu em direção a Anchorage, no Alasca, na tentativa de encontrar uma pista com condições de pouso melhores.

voo
A rota do voo origina, ao sul está Vancouver, o ponto vermelho é Anchorage – FR24

O aeroporto dos EUA não esperava que os passageiros chegassem e houve muita confusão quando o avião pousou. Esses passageiros estavam viajando no Cananá, por isso alguns tinham identificação limitada e poucos tinham passaporte.

Uma das passageiras disse à CBC: “eles não nos disseram se iríamos simplesmente dormir nas cadeiras da área de segurança ou se poderíamos realmente sair. Não achei que pudéssemos sair sem passaporte”. Felizmente, após cerca de 30 minutos na pista, a segurança da fronteira dos EUA os deixou passar e eles ficaram em um hotel próximo.

Tentativa de voo número dois

De manhã, os passageiros se reuniram no aeroporto para voar para Whitehorse. No entanto, após mais uma tentativa de pouso, a aeronave decidiu alternar… para Vancouver (sua origem inicial). “Voamos sobre Whitehorse, na verdade podíamos ver as luzes lá embaixo”, disse o passageiro Roger Gauthier à CBC.

Como os passageiros estavam entrando no Canadá, eles tiveram que preencher os formulários alfandegários e chegar pelo terminal internacional.

Voo
Segunda tantativa, saindo de Anchorage ao norte e terminando em Vancouver – FR24

A tentativa final

Trinta e quatro horas após a partida do voo original, os passageiros foram novamente direcionados pela Air Canada ao terminal e embarcados num voo para Whitehorse. Dessa vez, as condições haviam melhorado e a aeronave conseguiu pousar.

Os passageiros ficaram aliviados, mas reclamaram que a Air Canada os manteve no escuro (sem informações) durante a maior parte da viagem.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.