Piloto do voo MH370 teria subido a 40 mil pés para sufocar todos a bordo

Nota do AEROIN: essa é a última atualização passada pela equipe que investiga o desaparecimento do Boeing 777 da Malaysia Airlines e contém diversas suposições, mescladas com fatos verificados.

Zaharie Ahmed Shah, comandante do voo desaparecido

Segundo especialistas que investigam o sumiço do Boeing 777 da Malaysian Airlines, o piloto do voo MH370 teria ‘deliberadamente despressurizado a cabine’ para ‘matar lentamente todos a bordo’.

O grupo por trás das investigações é formado por especialistas dedicados à aviação, cuja única missão é descobrir o que aconteceu com o misterioso voo. Alguns deles até foram chamados para ajudar na busca oficial do avião, que desapareceu em 8 de março de 2014.

Eles alegam que o comandante Zaharie Ahmed Shah propositalmente afastou o Boeing 777 da rota, antes de esperar que o jato ficasse sem combustível ou de mergulha-lo de nariz na água, desintegrando-se com o impacto.

As novas reivindicações são relatadas no The Atlantic pelo respeitado especialista em aviação William Langewiesche. Segundo Langewiesche, a teoria mais provável é que Shah tenha matado ou incapacitado seu co-piloto antes de despressurizar a cabine.

O engenheiro eletricista Mike Exner, membro do grupo independente, acredita que Shah também subiu rapidamente a 40.000 pés de altura antes do suicídio. Exner diz que subir rapidamente aceleraria o processo de despressurização.

“Uma despressurização intencional teria sido um caminho óbvio – e provavelmente o único caminho – para incapacitar todos a bordo em um avião que permaneceria em voo por horas”, acrescenta Langewiesche. Ele disse: “Nenhuma das máscaras de oxigênio foi projetada para mais de 15 minutos de uso durante descidas de emergência para altitudes abaixo de 13.000 pés. Elas não teriam nenhum valor mantendo-se cruzeiro a 40.000 pés. Os ocupantes da cabine ficariam incapacitados em poucos minutos. Perderiam a consciência e morreriam suavemente sem engasgar ou ficar ofegantes.”

O voo MH370 estava indo de Kuala Lumpur a Pequim com 239 pessoas a bordo em 8 de março de 2014 e o desaparecimento continua sendo um dos maiores mistérios da história da aviação. Várias teorias foram apresentadas sobre o que aconteceu com o avião, incluindo que o veterano piloto Shah, que voou em um caminho semelhante em seu simulador de voo em casa, estava deprimido na época.

Um colega, também comandante de 777, disse que concluiu que seu amigo próximo deliberadamente derrubou o avião. “É difícil pensar dessa forma, mas é a conclusão necessária”, disse ao The Atlantic. O colega especulou que o estado mental do Shah poderia ter sido um fator que contribuiu para sua decisão. “O casamento de Zaharie estava ruim. No passado próximo ao ocorrido, ele dormiu com algumas das comissárias de bordo”, disse ele.

Com informações do Business Insider.

Malaysia Airlines avalia seu pedido de 25 Boeings 737 MAX

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduado em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Dia 5 de outubro é o “Dia D” para a Avianca...

0
A Avianca Holdings SA anunciou hoje (22) que garantiu compromissos para o financiamento de "devedor em posse" totalizando pouco mais de US$ 2 bilhões.