Voos da Air New Zealand farão inesperada escala quando em rumo aos EUA

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A transportadora de bandeira neozelandesa Air New Zealand acrescentou uma escala em todos os seus voos para a América do Norte. A ação é inesperada, uma vez que, tradicionalmente, seus voos eram realizados de maneira direta. No entanto, a iniciativa tem um motivo.

Quem acompanhar os voos intercontinentais da empresa aérea com destino à América do Norte, notará que, a partir de 11 de janeiro, eles farão uma parada em Honolulu, no Havaí. O mais curioso é que a escala terá a única finalidade de trocar de tripulação antes de continuar para Los Angeles ou San Francisco. 

Como será

Segundo uma matéria do Executive Traveller, funcionará assim: todas as tripulações, incluindo comissários e pilotos, terão que desembarcar no Havaí e pernoitar para, no dia seguinte, pegar o voo rumo aos destinos no continente norte-americano. Depois do pouso em LAX ou San Francisco, nenhum tripulante ficará nos EUA, mas retornará com a aeronave e, de novo, descerá no Havaí para novo pernoite antes de voltarem à Nova Zelândia. Os passageiros não poderão desembarcar ou embarcar em Honolulu.

A companhia aérea disse que o redirecionamento dos serviços através da ilha significa que a tripulação pode pernoitar em um destino de menor risco, mantendo conexões vitais para a América do Norte. 

Funcionários no centro

Greg Foran, CEO da Air New Zealand, comentou: “Embora seja importante manter as rotas comerciais abertas e os serviços de passageiros operando para nossos clientes, cuidar de nosso pessoal é nossa prioridade. 

“Gostaria de agradecer a todos os que nos ajudaram a avançar tão rapidamente no redirecionamento de nossos voos, desde autoridades na Nova Zelândia e nos Estados Unidos, até nossos parceiros de terra e nossas equipes que trabalharam durante o feriado para fazer isso acontecer”, disse Foran.

A empresa com sede em Auckland opera atualmente oito serviços de carga e dois de passageiros por semana entre a Nova Zelândia e Los Angeles, além de quatro serviços de carga a São Francisco. 

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Boeing celebra venda de 15 jatos 737 MAX para empresa...

0
A Boeing e Dubai Aerospace Enterprise (DAE) anunciaram hoje (20) que o locador de aeronaves está aumentando seu portfólio 737 MAX